fbpx
(11) 5083-6934 # 5083-5995 contato@teresaembirucu.com.br

Cada vulva tem um odor característico (de vulva!!).  A vulva tem pele rica em pelos, glândulas que produzem suor e sebo (gordura). Tudo fisiologicamente pensado para uma área de atrito e proteção.

No verão, as altas temperaturas aumentam a transpiração na vulva e a renovação celular. A umidade excessiva pode deixar o odor habitual mais forte. 

Invista em:

  • Trocar de roupa de banho ou roupa íntima mais vezes 
  • Usar roupas folgadas 
  • Usar roupas íntimas de cores claras (cores escuras têm corantes e aumentam chances de alergia) e de material menos sintético 
  • Usar sabonetes líquidos (são mais higiênicos do que os sabonetes em barras), de preferência de glicerina (sem cores e sem perfumes)
  • Dormir sem roupa íntima (para ventilar mesmo)
  • Trocar mais vezes o absorvente externo ou interno (ou experimentar copinho ou disco menstrual)
  • Tomar banho após o sexo e uso de produtos eróticos 

A higiene deve ser na vulva, principalmente onde têm pêlos, entre os lábios externos e internos, virilha e períneo (entre vagina e ânus). Pessoas obesas devem lavar e secar bem as regiões das dobras.  

O ideal no verão seria fazer a higiene duas vezes ao dia.  Mas esfregar e lavar em excesso não faz bem!

Culturalmente, o ato de depilar para ir às praias também requer cuidado. Fuja de depilações que causam escoriações na pele. Aumentam o risco de manchar com o sol, de ter inflamação nos pêlos e de infecção sexualmente transmissíveis. 

O odor da região íntima é individual, assim como o cheiro da boca, do couro cabeludo e das axilas. 

Experimente um dia, passar a mão na vulva e se acostumar com o próprio cheiro. Veja que pode mudar com as fases do ciclo menstrual (para quem não usa nenhum método contraceptivo hormonal) e talvez até com alguns alimentos.  

Se  perceber que o odor está diferente, ou inchaço, ardência, corrimentos de cores e texturas não habituais, procure o médico. 

InstagramFacebookWhatsApp