fbpx
(11) 5083-6934 # 5083-5995 contato@teresaembirucu.com.br

Como se pega HPV?

HPV (Papiloma Vírus Humano) é um vírus muito fácil de ser transmitido e por consequência, de ser adquirido. O HPV é passado de pessoa para pessoa principalmente pelo contato sexual, sem precisar de penetração ou ejaculação para ocorrer a transmissão.

Este vírus tem uma atração muito grande pelos tecidos (pele e mucosa) da região genital e do ânus. Portanto, o contato de vulva com vulva, pênis com vulva, pênis com vagina, pênis com pênis e pênis com ânus podem ser meios de disseminar o vírus. Ainda o que temos de melhor para evitar esse passeio do vírus é a camisinha feminina e masculina. Mesmo assim, a proteção não é 100%. Porque o vírus pode estar em qualquer parte ali da região genital, tanto do homem como da mulher, e a camisinha só veste o pênis ou a vagina. Mas é o método mais seguro para não pegar o HPV.

A grande dúvida é se objetos, vasos sanitários, uso de roupas íntimas de pessoas com o vírus, compartilhar toalhas de banho ou sabonetes seriam meios também de transmissão. O que acontece é que o HPV é um vírus que vive dentro de célula viva e precisa de uma porta de entrada aberta (uma falha de defesa da pele ou da mucosa genital) no nosso corpo para poder se multiplicar. Então, dificilmente a transmissão ocorre por outros meios.

O HPV está presente aproximadamente em 6 mulheres de cada 10 mulheres. Isso mostra o quanto o vírus circula rápido e é muito prevalente. Não existe ainda um meio de saber quando e como foi que se contaminou com o vírus. Como o HPV pode permanecer nas células do corpo por muito tempo sem causar doença (isso depende muito do sistema imunológico de cada indivíduo), não é possível responder a essas perguntas. Ou seja, pode ter sido um contato sexual a qualquer momento ao longo da vida, por exemplo, de 10 anos atrás ou do último ano ou do último mês.

Importante lembrar que ter o vírus não significa ter as doenças causadas pelo vírus. O bom de tudo isso, é que as lesões provocadas pelo HPV (verrugas e as alterações pré-neoplásicas) podem ser tratadas! Existem exames que são facilmente realizados para detectar a presença do vírus e diagnosticar as lesões. Os principais são a captura híbrida (ou PCR) para HPV, o Papanicolau, a colposcopia e a vulvoscopia. É essencial que seja feita uma consulta anual com ginecologista para detectar o mais precoce possível, mantendo assim a saúde sexual feminina.

InstagramFacebookWhatsApp