fbpx
(11) 5083-6934 # 5083-5995 contato@teresaembirucu.com.br

Sete Fatos a Favor do DIU não hormonal

A procura por métodos para evitar gravidez não hormonais cresceu. O DIU (dispositivo intrauterino) sem hormônio é uma das opções.

Sete fatores a favor do DIU não hormonal:

– Não tem nenhum tipo de hormônio

– Método de longa duração (pode ficar em média 3, 5 ou 10 anos)

– É reversível. Pode ser retirado a qualquer momento que se desejar engravidar

– Alta eficácia (taxa de falha 0,4 a 0,6%)

– Não interfere na sua produção hormonal

– Não tem impacto na vida sexual

– Não tem reação cruzada com outros medicamentos

A conversa sobre método anticoncepcional deve levar em consideração o que a pessoa deseja. Muitas vezes existe uma expectativa além de evitar gravidez, como controle de oleosidade da pele, pelos, cólica menstrual, fluxo menstrual, TPM, sintomas de depressão.

Deve-se ter em mente quais os riscos e benefícios que todos os métodos (hormonais e não hormonais) oferecem. Lembrando que o único que protege contra IST é a camisinha.

Não existe o melhor método. Cada caso é individualizado. A decisão deve ser em conjunto, médico e paciente, colocando tudo na balança.

Como funciona o DIU não hormonal?

O DIU (dispositivo intrauterino) ou anticoncepcional intrauterino funciona sem alterar a resposta hormonal. Toda a ação ocorre no útero.

O DIU não hormonal contém cobre ou cobre revestido com prata. A ação acontece através da fragmentação do cobre que causa um espessamento no muco cervical, impede que o espermatozoide se mobilize para encontrar o óvulo e deixa o endométrio (camada de dentro do útero) imprópria para receber a gravidez.

O DIU não hormonal não provoca aborto. O DIU não hormonal impede que a fecundação (encontro do espermatozoide com o óvulo) aconteça.

O DIU não hormonal não inibe que o ovário produza seus óvulos e seus hormônios.

DIU com Cobre x DIU cobre com prata

A diferença entre o DIU de cobre e o DIU que tem cobre revestido com prata é basicamente esta constituição. A taxa de eficácia é praticamente a mesma.

O tempo de duração do DIU de cobre é em torno de 10 anos e do DIU de Cobre com prata até 5 anos.

A prata evita a oxidação e fragmentação do cobre em excesso, e assim aumenta a chance de diminuir o processo inflamatório (a liberação de citocinas) que acontece dentro da cavidade uterina.

Em algumas pessoas, o uso do DIU aumenta o fluxo menstrual e a dor tipo cólica.

O DIU de Cobre com prata tem a tendência a diminuir estes efeitos.

Os dois tipos são de alta eficácia, baixo custo e fácil manejo (não precisam ser lembrado por quem está usando).

Podem ser colocados no consultório ou com anestesia no hospital. A técnica de colocação é a mesma.

Qual o melhor momento para colocar o DIU?

A inserção do DIU pode ser realizada em qualquer momento do ciclo menstrual.

A pessoa só não pode ter dúvidas se está grávida ou não.

Quando está na fase da menstruação, geralmente a inserção é mais fácil porque o colo do útero está um pouco mais amolecido e aberto (já que o sangue está passando por ali).

Também pode ser colocado após o parto, porque não interfere na amamentação, e após aborto.

Não pode ser colocado o DIU na presença de corrimento genital ou suspeita de infecção. Por isso, é interessante ser examinado pelo médico antes.

Gravidez e sangramento uterino sem causa diagnosticada são contra-indicações.

Se a pessoa estiver em uso de outro método hormonal, pode ser colocado o DIU e depois de confirmado que a posição está correta dentro da cavidade uterina, o método hormonal pode ser interrompido.

Pessoas que nunca engravidaram (nuligestas) ou que nunca tiveram filhos também podem colocar DIU.

Como saber se o DIU está no lugar certo?

O DIU é visualizado dentro da cavidade uterina através do exame de ultrassonografia. Este exame deve ser feito logo após a colocação do DIU para confirmar a posição.

Quando o DIU está dentro do canal endocervical, não está na posição adequada e não está cumprindo seu papel de anticoncepcional.

Uma outra forma de confirmar que o DIU está presente é fazendo um toque dentro da vagina e perceber com a ponta dos próprios dedos os fios do DIU, que geralmente estão para fora do colo uterino.

Em caso de dúvidas se o DIU saiu do lugar, deve entrar em contato com o médico.

Como colocar o DIU?

O DIU pode ser colocado no consultório ou com anestesia no hospital.

São necessários: introdução do espéculo vaginal, pinçamento do colo uterino e medição da cavidade uterina para a passagem do DIU para dentro do útero.

A pessoa pode sentir cólica durante o procedimento sem anestesia. Esse desconforto é muito variável. Para a maioria, o incômodo é tolerável. Mas uma pequena parcela não consegue colocar o DIU sem anestesia.

Se for preciso a anestesia para realizar o procedimento, é importante que seja com médico anestesista no hospital. Geralmente é anestesia realizada por acesso venoso.

O procedimento em si não é demorado. A pessoa chega no hospital, faz o procedimento e depois de alguma horas, se não tiver nenhuma intercorrência, receberá alta.

A vantagem de colocar no consultório é a praticidade, não precisa jejum e não precisa da burocracia de internação hospitalar. Já a vantagem de colocar no hospital é ter um procedimento completamente sem dor.

Como é a retirada do DIU?

O DIU é geralmente retirado no consultório por tração dos fios que ficam para fora do colo uterino com uma pinça. O procedimento comumente não dói. Não é necessária anestesia.

Se o fio do DIU não estiver facilmente visualizado (às vezes, os fios se enrolam e entram no canal do colo uterino) pode ser indicado um procedimento chamado histeroscopia para retirar o DIU. Nesse caso, a histeroscopia é feita sob anestesia dentro do hospital.

InstagramFacebookWhatsApp